A TelexFREE foi injustamente acusada

A TelexFREE foi injustamente acusada, sem qualquer prova concreta, pelo Ministério Público do Estado do Acre, de formação de pirâmide financeira, a Ympactus teve, por determinação do Juízo da 2ª Vara Cível de Rio Branco, todos os seus bens e valores bloqueados, decisão esta, que trouxe imenso prejuízo material e moral à empresa e a mais de 1 milhão de pessoas em todo o Brasil, que foram privados, de forma abrupta, de sua forma de sustento, sendo que o recurso interposto contra tal decisão aguarda julgamento.

Ressalte-se que com mais de 1 milhão de Divulgadores em todo o Brasil a Ympactus não respondia, por ocasião do bloqueio, a nenhuma ação por falta de pagamento, tendo sempre pago em dia todas as suas obrigações.

A Ympactus apresentou em Juízo mais de 80.000 páginas de documentos, que incluem pareceres de legalidade jurídica e de sustentabilidade e viabilidade econômica, bem como os comprovantes de recolhimento de centenas de milhões de reais em impostos, estando absolutamente regular com suas obrigações fiscais.
A Receita Federal do Brasil investigou a Ympactus por mais de 9 meses, tendo avaliado de forma rigorosa toda a sua movimentação contábil e financeira e não encontrou qualquer indício de sonegação, fraude ou conluio criminoso.

A Ympactus repudia o injusto bloqueio por entender que não cometeu qualquer ilicitude e porque o Ministério Público do Acre não tem legitimidade para “defender” interesses econômicos, de natureza individual e disponível de Divulgadores residentes em todas as unidades da Federação, bem como entende que é absurdo pleitear que uma indevida indenização por supostos e incomprovados danos coletivos seja destinada a um fundo estadual mantido pelo Estado do Acre, que possui apenas 0,4% da população brasileira e 0,2% da economia nacional.

Os mais de 600 milhões de reais de propriedade da Ympactus que ainda estão injustamente bloqueados pelo Poder Judiciário do Acre são suficientes para pagar o déficit público daquele Estado, que no ano de 2013 mais uma vez foi incapaz de gerar receita suficiente para cobrir os seus gastos com pessoal, custeio administrativo e investimentos, possuindo um déficit de mais de 412 milhões de reais que são custeados pela União Federal através do pagamento de impostos de todos os brasileiros, sendo que Rio Branco, segundo o IBGE, é a capital brasileira com o menor PIB per capta.

A quem interessa o atraso? A quem interessa impedir que milhares de Divulgadores recebam de volta os valores que a Ympactus deseja devolver? A quem interessa impedir o progresso, a geração de riqueza e a melhoria das condições de vida de pessoas que encontraram no marketing multinível uma alternativa lícita de trabalho e renda? A quem interessa a recusa do Ministério Público do Estado do Acre em aceitar que a empresa devolva os valores a seus Divulgadores?

A Ympactus está se defendendo de forma vigorosa perante o Poder Judiciário do Estado do Acre e confia plenamente na Justiça Brasileira que certamente reparará uma das decisões judiciais mais danosas da história do empreendedorismo brasileiro.

Fonte: TV ES


←  Anterior Proxima  → Página inicial